Como as pessoas fazem dinheiro na economia do compartilhamento

Texto da Forbes traz bons exemplos de pessoas que estão faturando como o consumo colaborativo. São citados recursos como Neighborgoods.net, DogVacay, Poshmark, RelayRides e Liquid. Através deles, pessoas compartilham, trocam ou vendem produtos ou serviços. Para o jornal O Globo, a chave da economia verde passa por essa postura.

O assunto já virou tema de livro: Mesh – O Futuro dos Negócios é Compartilhar, de Lisa Gansky. Acima, a autora fala sobre o conceito na TED.

ativismo autoral

Hoje não é mais aquele ativismo dirigido pelos partidos, pelos sindicatos, pelas organizações clássicas que tínhamos. É um ativismo diferente, que chamo de ativismo autoral. Boa parte das pessoas que integram as causas do século 21 fazem isso porque estão alinhadas com os mesmos princípios mas também pelo prazer de experimentar uma ação política produtiva, criativa e livre. Muitos sentem desconforto com a política separada da ética, a economia separada da ecologia.

- Marina Silva, em entrevista ao jornal Valor.

A estética da memória afetiva

A Artek, uma importante empresa de móveis finlandesa, fundada em 1935, criou recentemente um novo e já considerado bem sucedido modelo de negócios. Ela compra em sites, lojas de móveis usados, mercados de pulgas ou em “família vende tudo” o mobiliário produzido por seus próprios designers nas últimas décadas e que se tornaram clássicos.

[…] faço parte de uma geração que percebe o valor afetivo e a carga de história que essas peças antigas podem trazer aos nossos lares. Vejo que nem sempre o novo é melhor, e que uma peça que conta uma boa história será um bom design. E optar por objetos usados em nosso cotidiano, mais do que estar na moda, é um exercício elegante de sustentabilidade.

- Guto Requena

Combate à Pobreza

A percepção comum é que a solução de maior impacto para a redução da pobreza é a educação […] Se você acabou de construir escolas, todos vão receber educação – mas o que você faz com as pessoas que não podem ir à escola, que não tem comida?

Para combater a pobreza, o que é mais efetivo: livros ou comida?