Copyright, uma proteção para poucos

Se o copyright serve para remunerar os artistas – e ele não faz isso para a maioria deles – então é bizarro pensar em proteção por 70 anos após a morte deles. Isso deixa claro que o sistema de copyright não funciona para a maioria. É uma proteção ao investimento para as empresas que querem extrair o máximo de dinheiro possível dos produtos – que é como eles se referem às expressões culturais. Isso nos dá o conceito de propriedade. Até o presente, tudo que pode ser comercializado pode se tornar propriedade privada. A consequência é que nós não temos mais um espaço livre onde, como seres humanos, podemos nos comunicar uns com os outros sem restrições. Se nós tivéssemos um mercado cultural que funcionasse com igualdade de condições onde não houvesse empresas dominantes – a maioria dos artistas poderia ter um lucro razoável sem ter a propriedade de seus trabalhos.

Joost Smier, pesquisador. Para ele, o futuro é a digitalização. Concordo. Em parte. Esse papo é longo. Fica para outro dia.