Como furar a fila e instalar o Windows 10 agora

Os mais afoitos podem baixar e instalar o Windows 10 sem entrar na fila. A partir de arquivo ISO, você garante uma instalação limpa do sistema operacional. O procedimento é simples. Faça o download do programa Microsoft’s Media Creation Tool. Após a instalação, clique em Atualize este computador agora e depois em Avançar. A partir daí, o esquema entra em piloto automático. Se tudo estiver funcionando corretamente, o computador irá reiniciar e executar o upgrade.

Esse procedimento é apenas um atalho. O Windows 10 foi lançado oficialmente hoje. Entretanto, nem todos têm acesso direto à nova versão do Windows. Há uma fila para realizar o upgrade. Quem participou do programa de testes já garantiu as primeiras vagas. Os demais devem esperar a notificação. Quando chegar sua vez, uma mensagem aparecerá no seu computador.

Vale lembrar que assegurar um becape dos seus arquivos antes de iniciar o processo é recomendável. Outros são ainda mais cautelosos. Apesar da boa acolhida que o sistema operacional vem recebendo (como apresenta o vídeo abaixo), você pode esperar mais um pouco e desviar dos inevitáveis bugs e incompatibilidades da estreia (o Windows Central listou os problemas mais comuns). Não há pressa. Terá um ano para fazer a instalação gratuitamente.

Assistente virtual (Cortana, a funcionalidade que mais entusiasma o CEO Satya Nadella), integração com Xbox 1, novo navegador (Edge)… São muitas as alterações. Mesmo o seu posicionamento foi alterado. Essa é a última versão do Windows como o conhecemos nos últimos 40 anos. A partir de agora ele é tratado pela Microsoft como serviço, não mais como produto.

Ao invés de entregar uma grande atualização através de um ciclo temporal prolongado (a cada 3-4 anos), você conviverá com novidades periodicamente. Segundo Gustavo Lang, diretor do Windows no Brasil, “A ideia é manter todas as máquinas rodando a versão mais atualizada do sistema operacional. Nós não vemos para o futuro o Windows 11, o 12…”

Robôs invadem as redações

Um noticiário personalizado, no qual avatares apresentam atualizações de seus sites jornalísticos preferidos. Essa é a proposta da startup Guide. Demo acima. Ainda está num estágio embrionário. Impressiona pela dinâmica similar ao do telejornal, mas a apresentadora virtual tem o mesmo entusiamo da moça do GPS.

Não estranhe. Nos bastidores, os robôs já são aliados das empresas jornalísticas, dando uma força na estratégia digital. Garimpam dados e indicam caminhos, como determinar a frequência ideal de publicação de novos textos, o ritmo de mudança das notícias em destaque na página inicial, o horário mais propício para compartilhar conteúdo pelo Twitter…

autoeducação

From university classes via YouTube and startups like Udacity to the One Laptop Per Child (OLPC) project, there are more ways than ever for children to educate themselves, even in remote villages in Ethiopia. Despite the inevitable criticisms such efforts get both from within the education system and outside it, it’s part of a powerful and growing phenomenon.

[…] Udacity and the OLPC project are only two of the many startups and other ventures that are trying to change the way education occurs — not just in North America, but everywhere. There is also the Khan Academy, which started with Salman Khan using YouTube videos as a way of teaching his young niece about mathematics and now has delivered more than 200 million individual lessons. And there is Coursera, which is designed to allow any educational institution to offer online instruction. Although the latter ran into a brief regulatory roadblock in Minnesota, there are signs that these kinds of innovative efforts are being accepted: Udacity courses are now being approved for credit by some universities, including one in Colorado.

Whether it’s moribund educational institutions or governments or just bureaucratic red tape, what examples like these show is that the disruption of education continues whether such entities like it or not. Students will find a way to learn if they are given the opportunity, and technology and the social web are providing some powerful ways of doing that.

Matéria do Gigaom mostra como a tecnologia permite que alunos busquem novas formas de aprendizagem.

Cozinhando por mímica

O Instituto de Tecnologia de Tóquio está desenvolvendo um simulador que emula a sensação de cozinhar. A espátula e os ingredientes surgem virtuais, numa tela acima da fogão. O objetivo da criação é auxiliar no preparo da refeição, fornecendo dados que ajudam o chef. O aparelho calcula, por exemplo, a transferência de calor repassada para a panela.