futuro periférico

[Simon] Reynolds olhou apenas para o pop que circula pelo “centro” para concluir sobre o domínio do passado. Pouco mirou a periferia pop, que vive nos camelôs e “4Shareds” da vida. Só de relance viu que tinha algo diferente ali.
E é isso. A periferia pop global é uma explosão de música que não tem nada a ver com o passado. Os “futuristas” estão em toda parte: são os cumbieros na Argentina, os funkeiros ou tecnobregas aqui, o kuduro em Angola, ou o Shanghaan eletro na África do Sul.

Ronaldo Lemos comenta, na Folha, sobre o livro Retromania, de Simon Reynolds. O crítico musical inglês defende que a cultura pop atual mira apenas o passado.

About these ads

Published by

charles cadé

Multimedia Professional & Communications Consultant. Great listener, avid reader, and movie lover.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s